PARA O HOMEM QUE TEM TUDO – Quem tem amigos, tem tudo?

Por Venerável Victor  “o homem que tem todos os macacos”  Vaughan

Hoje vamos a fundo de uma história sem spoilers, novidades ou crises globais. O argumento básico  é conhecido, e nem por isso menos surpreendente e cativante: Super-Homem, o último filho de Kripton, mimguém menos que o onipotente Kal-El, recebe um… presente de aniversário! Que por sinal é um parasita mental, que suga o ser do hospedeiro enquanto o encarcera numa realidade sugestionada que é tão somente… o maior sonho da pessoa! E qual seria o maior sonho do Super-Homem, o homem que tem tudo? Alan Moore trabalha esse tema de maneira sublime, criando uma emoção ímpar no leitor ao descobrirmos o real sonho do alienígena e depois a raiva do mesmo ao ser obrigado a renunciar a esse sonho.

Super-Homem: Levante-se verme! Você percebe o que fez comigo?

Mongul: Perfeitamente! Eu elaborei uma prisão que você não poderia abandonar sem abrir mão de seu maior desejo. Escapar dela deve ter sido como arrancar o próprio braço…

O “Passado”

Entre 1980 e 1984, Alan Moore se tornou uma presença recorrente nos créditos das revistas em quadrinhos publicadas na Inglaterra, tanto que a divisão britânica da Marvel e outras editoras do país contrataram-no para roteirizar histórias publicadas em suas revistas.

O início da década de 80 é apontado por estudiosos como um período marcado pelo aumento da popularidade dos quadrinhos no Reino Unido. Um público cada vez menos infantil estava consumindo as revistas e Moore era o escritor mais produtivo e conceituado dessa época. Em mais de uma oportunidade seria Dave Gibbons quem desenharia suas histórias, numa parceria que vinha agradando ambos.

Alam Moore & Dave Gibbons

O talento de Gibbons chamou a atenção da DC ainda em 1982, e já naquele ano o lendário Len Wein o contratou para desenhar a revista Green Lantern Corps. No ano seguinte seria a vez de Moore ser contratado por Wein, que buscava um escritor que pudesse assumir a função de roteirista da revista Swamp Thing, que vinha enfrentando baixas vendas. Moore não apenas faria o título voltar a ter bons resultados de vendas, como seria o responsável, ao lado de outros artistas, por reinventar o personagem Monstro do Pântano, introduzindo em suas tramas uma temática até então inédita, tratando de forma experimental questões sociais e ambientais. Moore assumiu a revista em 1984 e seus roteiros logo atraíram a atenção de público e crítica, impulsionando a editora a contratar outros roteiristas europeus, como Grant Morrison, Peter Milligan e Neil Gaiman, para escreverem outras séries de apelo similar que posteriormente marcariam o início do selo Vertigo de quadrinhos adultos.

Publicada originalmente em Superman Annual 11 de 1985, e recentemente aqui em Grandes Clássicos DC, “Para o Homem que tem tudo” é uma das histórias do britânico que, sempre à frente de seu tempo, também esteve à frente do Homem de Aço.

Considerada uma obra-prima e certamente uma das melhores histórias em quadrinhos já publicada (assim como A Piada Mortal), foi magistralmente ilustrada por Dave Gibbons, o mesmo de Watchmen, parceiro recorrente de Moore.

Tanto antes quanto enquanto trabalhava com o Monstro do Pântano, Moore submeteu à editora inúmeras propostas, buscando trabalhar com personagens como o Caçador de Marte e os Desafiadores do Desconhecido , uma das criações de Jack kirby para a DC, mas todas acabavam rejeitadas por já estarem sendo desenvolvidos projetos com outros escritores envolvendo esses personagens. Pouco depois, o editor Julius Schwartz questionou Gibbons sobre a possibilidade de desenhar uma história de Super-Homem. Gibbons declarou-se disponível, mas perguntou a Schwartz quem ele colocaria para roteirizar a história. Quando lhe foi dito que ele poderia escolher quem escreveria , imediatamente apontou Moore, e rapidamente For the Man Who Has Everything começou a ganhar forma.

Essa história faz parte da cronologia pré-Crise nas Infinitas Terras e prova o argumento de Moore de que o problema da DC não era a cronologia zoada e nem o Multi-verso, e sim a falta de criatividade . For the Man Who Has Everything é vista como uma obra representativa na “Era de Bronze” dos quadrinhos –  entre 1970 a 1986 – por sua abordagem e ineditismo, vindo a ser quase vinte anos após a sua publicação, adaptada pelo também genial escritor J. M. DeMatteis para a série de animação Liga da Justiça Sem Limites.

Participam da história Batman, Robin – aqui o insuportável Jason Todd que substituía Dick Grayson – e a Mulher-Maravilha, todos em suas encarnações pré-crise, ou seja, não espere um Batman sombrio, no entanto esse Batman funciona maravilhosamente, como Dennis O’Neal e Neal Adams tinha mostrado em Contos do Demônio, é um Batman mais detetivesco, como o que Grant Morrison tenta recuperar nos quadrinhos atuais

Repleto de cenas memoráveis, diálogos sublimes, como de praxe nas obras de Alan Moore, além da arte fenomenal de Gibbons, essa é uma leitura obrigatória para qualquer fã de quadrinhos, pois se configura como uma das maiores obras-primas do gênero. E se isso não o convenceu a ler, um último argumento: Moore deve ser o único roteirista a utilizar Jason Todd de maneira inteligente antes da morte do pivete.

O “Presente”

Em 29 de fevereiro, no Círculo Polar Ártico, Batman e Jason Todd, o novo Robin, encontram-se com a Mulher-Maravilha na frente da Fortaleza da Solidão. Batman apresenta Jason a Mulher-Maravilha.  Ao entrarem no local, deparam-se com Super-Homem num estado vegetativo e com uma grande planta alienígena presa ao seu peito, com tentáculos em volta de seu corpo.

Paralelamente, é retratado o que passa no interior da mente de Super-Homem… como “Kal-El”, ele vive feliz em um planeta Krypton que jamais foi destruído. Casado com a ex-atriz Lyra Lellol e pai de duas crianças, Van e Orna. Kal-El trabalha no Instituto de Geologia da cidade. Para seu aniversário, seus entes queridos lhe fazem uma festa surpresa, no qual estão presentes sua prima Kara Zor-El, e quase todos os seus familiares, mas não seu pai, Jor-El. No dia seguinte, Kal vai ao trabalho de seu pai, e o encontra em reunião com Lor-Em, líder de uma seita nomeada “Espada de Rao” e Dax-Ar, major do exército kryptoniano. Jor-El pretende se aproveitar do prestígio dos dois para obter maior poder político. Pai e filho começam a discutir, e enquanto Kal tenta expor que se associar com grupos extremistas pode ser ainda mais prejudicial para a já debilitada carreira de Jor-El, este começa a reclamar da deteriorização dos valores em Krypton, com o aumento do tráfico de drogas e o surgimento de problemas raciais com os imigrantes da Ilha Vathlo. É revelado que Lara, a mãe de Jor-El, havia falecido anos antes e que Jor-El havia sido expulso do Conselho de Ciência de Krypton após sua previsão de que o planeta iria explodir se mostrar uma inverdade.

Na Fortaleza da Solidão, Batman analisa a situação, e presume que o embrulho com o “presente” deve ter chegado pelo Canal de teletransporte, enviado por um dos muitos mundos agradecidos pela ajuda de Super-Homem, que não devia saber dos efeitos da planta. Nesse instante, Mongul surge, e revela-se o responsável pelo envio do presente, cuja nome é “Clemência Negra”. Ele explica que a Clemência atraca-se à sua vítima de forma simbiótica, alimentando-se de sua aura e, em contrapartida, provocando um transe que havia colocando o kryptoniano num estado comatoso, vivendo um sonho extremamente realista e plausível com base em seu “desejo do coração”. Mongul, então, ironiza os três heróis, perguntando para Batman qual deles deveria morrer primeiro: “Sei que sua sociedade faz distinções com base em gênero e idade. Talvez, então, devam me orientar sobre qual de vocês a etiqueta pede que morra primeiro!“. Batman e Mulher-Maravilha se entreolham, e ela avança contra o monstro. Enquanto a Mulher-Maravilha tenta conter o vilão, Batman e Robin buscam uma forma de remover a Clemência de Super-Homem

Em seu sonho, “Kal” vê-se parte de uma sociedade kryptoniana cada vez mais polarizada, vítima de forte agitação política. Enquanto Jor-El tornou-se líder de um movimento reacionário extremista, buscando um retorno ao Krypton “nobre e imaculado” do passado, um grupo rival, contrário à existência da Zona Fantasma – a dimensão paralela que serve de sistema prisional perpétuo para os condenados kryptonianos – agride brutalmente Kara Zor-El e começa a manifestar-se cada vez mais contra “o clã dos El”. O momento em que Batman consegue remover a Clemência do peito de Super-Homem coincide com o instante em que o sonho de “Kal” se dissolve: durante uma visita à cratera de Kandor, um pressentimento lhe faz questionar se seu filho, Van-El, era mesmo real.

A Clemência solta o corpo de Super-Homem, agarrando-se ao de Batman, que começa a viver o seu “desejo do coração”: Quando criança, ao invés de ver seus pais serem assassinatos na sua frente durante um assalto, o jovem Bruce Wayne apenas presencia seu pai desarmar o assaltante, e a partir daí passa a viver uma vida relativamente normal, chegando a se casar e ter uma filha. Clark pergunta para Robin quem foi o responsável pelo ataque. Enfurecido ao saber quem havia enviado o “presente”, ele voa através da Fortaleza, avançando contra o vilão enquanto Jason usa o equipamento esquecido por Mongul para retirar de Batman a Clemência que o controlava.

Super-Homem esmurra o rival buscando vingar-se pelo que havia passado, numa emblemática sequência. Conforme os dois trocam ataques tão fortes que interferem em sismógrafos, Mongul detalha a perversidade de seu plano. O combate entre os dois persiste, destruindo largas porções da Fortaleza da Solidão, mas como ambos são virtualmente indestrutíveis, o embate se torna frustrante para os dois.

Por um segundo, Super-Homem fraqueja, ao lembrar de Krypton e nesse instante Mongul tenta matá-lo, mas é então surpreendido por Robin, que solta sobre o corpo do vilão a Clemência Negra.

Enquanto Mongul, dominado pela planta, começa a viver o seu sonho de conquistar o universo, Super-Homem joga-o num buraco negro e Batman e Mulher-Maravilha enfim entregam seus presentes.

O presente de Batman – uma rosa produzida em laboratório chamada “Krypton” – havia sido destruído durante o combate, e o da Mulher-Maravilha – uma réplica da cidade miniaturizada de Kandor, feita pelas “projetistas de joias” da Ilha Paraíso para lembrar Super-Homem da verdadeira, que havia sido ampliada e enviada para outra dimensão nessa época da cronologia . No entanto era algo que Clark Kent já tinha. Sem que ninguém perceba, ele, fazendo uso de sua super-velocidade, esconde a réplica que já possuía e gentilmente agradece o presente, afirmando ser aquilo “o que sempre quis”. O “homem que tem tudo”, então, abraça seus amigos e diz: “Alguém prepara café enquanto eu dou um jeito na casa?

72 comentários sobre “PARA O HOMEM QUE TEM TUDO – Quem tem amigos, tem tudo?

  1. Só uma correção: a última publicação dessa história por aqui foi na coleção DC 75 Anos, mais precisamente no número 3. Sei disso porque foi nessa revista que eu tive contato com a história, já que até então o meu conhecimento se resumia a matérias de revistas, menções em textos sobre HQs e a adaptação em LJU.

    A história é realmente muito boa e envolve bastante o leitor. A única coisinha que me incomodou foi o beijo entre a MM e o Super pois nunca fui fã desse casal. Mas gostei da piadinha da Diana “óbvio, demais?”.

    De qualquer forma, nem tinha percebido o lance da réplica de Kandor. Obrigado pela curiosidade.

    Abraços!

    Curtir

    1. Eu não me preocuparia muito com o presidente dos EUA, artístico Gabriel, afinal em “Ultimates” da Marvel, agora a pouco, Washington virou poeira e em Action Comics desse mês descobrimos que na Terra 23 (?) o Super-Homem de lá é o Obama… Eu não quero dar uma de vidente, mas por si só a coisa fica sempre complicada para ele.

      Curtir

  2. Tem uma coisa que pouca gente percebe, uma analogia genial no fim da história.
    Quando o Super olha a planta chamada krypton pisoteada, e fala pro Batman “talvez tenha sido melhor assim”, ele pode estar falando não apenas da planta, mas da destruição de seu planeta natal. Ou seja, ele acaba aceitando que é melhor ser o Super Homem aqui na Terra, onde ele vive feliz com seus amigos, do que em uma Krypton cheia de problemas, se tudo aquilo realmente acontecesse. Com certeza, esse é o motivo maior da raiva com que ele ataca o Mongul depois. Ele não estava “p” por que o sonho com Krypton era falso, mas porque tudo aquilo era ruim demais pra se viver.

    Curtir

  3. Uma história importante, emblemática e muito atual. Esse epílogo não foi usado na animação, o que foi uma pena, mas assim mesmo o resultado ficou bem satisfatório. Só tomem cuidado com uma coisa: aqueles que lerem “Before Watchmen” não poderão mais ler e nenhuma obra dele, conforme ele pediu. Ou poderão, por sua conta e risco…

    Curtir

  4. Momento nostalgia sempre é bom quando não se mete o pau no que é atual. Talvez é o que os fãs antigos devem fazer: libertar-se do parasita que os prende num mundo de fantasia que não mais existe e encarar a realidade que não é tão dura. Mesmo recebendo presentes (as coisas novas) de bom grado e de braços abertos, mesmo que a gente já tenha visto antes e nos pareça inútil.
    A arte de Dave tão inconfudível, tem a facilidade de nos remeter a um ambiente mais ingênuo, simples e infantil até…
    Ouvindo MPB e escrevendo essas linhas agredecidas ao trabalho de meu amigo carioca macaco…parabéns Vic!

    Curtir

  5. Salve V.V.V.,Mr.Monkeyman,faz tempo q me dedico aos quadrinhos ‘udigrudi’…..ando lendo poucos heróis de ‘cueca por cima das calças’,mas essa matéria me deixou com MUITA vontade de ler esta historia,apesar d conhece-la das animações……valeu cara,sempre bem escrito e claro,,,,Santuário acertando na ‘moleira’ sempre,,,,,,,

    Curtir

    1. Penso de forma semelhante… também sou marvete e também acho que o Alan está acima do bem e do mal, da Marvel e DC… pena que ele tenha tão poucos trabalhos pela Marvel…

      Sobre o Gibbons creio que ele não esteja em Before Watchmen DESENHANDO… creio que ele tenha participado do planejamento e coisa e tal… eu sei que o Higgins (o colorista original de watchmen) está participando nos desenhos do análogo beforewatchmeniano do conto do cargueiro negro.

      Curtir

  6. Cara essa é uma das minhas Historias Favoritas do azulão! juntamente com o que aconteçeu com o homem de aço tambem do Moore! foi bem adaptada pra Animação! tinha o formatinho da abril (superpowers) e o encadernado GRANDES CLASSICOS DC enfeita com orgulho a minha estante!

    Curtir

  7. Essa é na minha opinião a melhor historia do Super fora da era Byrne. Apesar da inocencia (sem ser piegas) ela é a grande historia do Super. Não é uma daquelas revistas que se descobre novos detalhes como outras do mestre Moore, o desenho não e cheio de detalhes e por isso o argumento é que se sobressai. Penso que se fosse o George “Paulo Joubert” Perez ou o John “Rodrigo Antonio” Byrne ou ainda um Brian Bolland não teria sido tão bom pois a arte talvez tivesse deixado a historia em segundo plano.
    Mas agora falando em Brian Bolland… a maxiserie Camelot 3000 merece uma materia com a seu magistral modo de expor as ideias…
    Vllw brother.

    Curtir

  8. Um grande presente VVV! Lembrar da última história boa do Super antes da Crise e do Byrne é uma ótima vitamina prá dar um gás nessa semana. Ainda bem que mamãe guarda o exemplar dessa aqui com muito zelo pois não só de tosqueira vive o homem inteligente! Época boa de Superpowers!!!!

    Curtir

  9. Salve a Era de Prata! Lógico que esa história merece espaço em todos os sites que falarem de quadrinhos e até de cultura pop no geral, lógico que essa história merece ser revisitada todos os anos, como agora foi com muito carinho e dedicação por você, Venerável e lógico, mas lógico que a DC é idiota, prepotente e não gosta de ganhar dinheiro, ao ter deixado escapar e ainda criar problema não dando liberdade criativa para o Alan Moore. Realmente a DC acha que ganha dinheiro com ele, mas não ganha nem metade do que poderia…

    Curtir

  10. Essa com certeza é a melhor história do Super Homem entre uma meia dúzia de outras memoráveis, alguns dizem que O Reino do Amanhã seria uma história dele e não do Universo DC, tem a memorável também edição 775 de Action Comics do Joe Kelly (ali fiquei fá desse roteirista)…mas essa marca realmente o fim de uma Era, uma era muito mais inocente.
    Abraço pra todos!!!

    Curtir

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s