Sexta Maldita: O Coven Santuário!

Nesta Sexta Maldita do Santuário, vários amigos e sacerdotes foram convidados a escrever contos, resenhas, textos, ilustrações e outros feitiços usando a temática “Dia das Bruxas”.  

Qual dessas criaturas da noite tocará mais profundamente sua alma?

Deixe nos comentários!

Elas foram sequestradas, torturadas, queimadas e mortas das formas mais cruéis possíveis. Seu pecado? Demonstrar dons que não podiam ser compreendidos pelas pequenas mentes egoístas e covardes que as temiam. Mas algo mais fez com que a hipócrita sociedade considerasse sua existência intolerável: Elas eram poderosas demais. E eram MULHERES!

Séculos depois, ainda não foi feita justiça suficiente para elas. Mas seu legado permanece mais forte do que nunca. Hoje o Coven Santuário vingativamente apresenta…  AS BRUXAS!

CONVOCATÓRIA

Por Rodrigo Broilo

Olá, como vai? Nós lhe damos as boas-vindas em nome da B.R.U.X.A.

Aqui, no Bureau de Reavivamento Universal do Xamanismo Ancestral, da sigla B.R.U.X.A., você poderá manifestar todo seu poder sem restrições. Você poderá envenenar maçãs, conversar com espelhos mágicos, roubar a voz das sereias, enfeitiçar rocas de fiar, fazer deliciosos quitutes, com ou sem crianças na receita, ou o que mais for o seu hobby e apresentá-los anualmente na nossa Convenção. Aqui você tem a liberdade de amar ou odiar as crianças, a ponto de transformá-las em ratos, almoçá-las, adotar seus espíritos ou até roubar a sua juventude. Nós possuímos cursos de formação sobre Relações Intergeracionais para bruxas e assemelhadas.

O culto religioso também é livre na B.R.U.X.A., sendo facultado à você venerar o Diabo, a Deusa ou seu bode preto favorito. Há diversas de nós que cultuam apenas a natureza. Não é maravilhoso?

Você também pode escolher entre gatos pretos, aranhas, lagartos, ou macacos voadores como seus familiares de estimação, entre milhares de outras opções que você imaginar. Para quem ainda não tem, e quer adotar, nós facilitamos o processo através do nosso Abrigo Monstro-Etério-Criatúrico-Animalesco (MECA) de Familiares. Você pode ser jovem, velha, bonita, feia, moderna, antiga, extrovertida ou antissocial, viver na luz ou nas sombras, que ainda assim a B.R.U.X.A. pode ser o seu lugar. Você também terá acesso a uma vasta gama de contatos com outras associadas, além de uma linha completa de aquisição de materiais para feitiços, poções, encantamentos, ebós, ziquiziras, mágicas, truques e limpeza de pele.

Suas ambições podem envolver tornar-se a mais linda do reino, destruir os sonhos de jovens princesas, vingar-se dos humanos, obter poder e dominação, ser uma habilidosa professora, ou ter sua própria padaria. O nosso departamento de Empreendedorismo e Coach está aí pra te ajudar. As únicas limitações da B.R.U.X.A. são: não atacamos outras associadas (restrições no Capítulo 13, artigo 666, parágrafos K, k, KK, Kk, dos Termos de Usos) e nunca duvidamos do poder do Sagrado Feminino.

Mas você deve estar se perguntando, como faço para entrar para a B.R.U.X.A. Bem, isso é fácil. Mande um corvo, pombo, coruja ou outra ave, real ou espiritual (Alebrijes costumam dar mais trabalho) com seu sigilo pessoal e uma amostra de seu sangue para o pacto, e assim que sua tatuagem mágica arder na sua pele, pronto… Você é uma de nós!

Esperamos que você goste da sua jornada de autoconhecimento e magia. A B.R.U.X.A. é para você!

Obs.: Não somos associados à W.I.T.C.H. – World Institute of Torture and Children Hunting (da tradução, Instituto Mundial de Tortura e Caça a Crianças)… Ainda.

“EU CONFESSO QUE JÁ FUI MUITO MALVADA…”

Por Léo Cezimbra

Quando falamos em bruxas a maioria das pessoas imaginam verrugas e vassouras voadoras. Eu imagino tentáculos.

Consegue imaginar o poder de uma deusa bruxa? Essa é a Úrsula!

Filha de Poseidon, ela nunca teve uma vida fácil. Ainda pequena foi abandonada por seu próprio irmão, Tritão, para morrer nas mãos de humanos na beira do mar.
Simplesmente por ser diferente do padrão de beleza do seu reino.

Para sua sorte, um humano acolheu a criança Úrsula sem se importar com sua aparência. Talvez tenha sido o único ser vivo que lhe deu amor genuíno: Ele não apenas a adotou como também morreu para proteger sua filha.


É difícil manter a sanidade quando a vida apresenta decepções e rejeições. Úrsula manteve o quanto pode. Depois de conviver com diversas bruxas poderosas, Úrsula se reinventou como uma bruxa, a Bruxa do Mar, e construiu seu plano de vingança!

É como diz o ditado: “Quando um coração está quebrado, não há mais nada para se quebrar”. Ela jamais superaria o fato de seu irmão tê-la deixado para trás.

Úrsula não nasceu má, porém, se transformou possivelmente em uma das mais cruéis, manipuladoras e poderosas bruxas que já existiu.

LORDS OF SALEM

Por Lexy Soares

Quando eu tinha meus 20 anos, eu curtia os filmes do Rob Zombie. Mas depois de adulto, me cansei dos exageros, dos clichês disfarçados de referências, do gore, e de outros cacoetes dele. Dito isso, este aqui é o melhor filme dele.

Perfeito não é, mas ele tem uma personalidade que os outros não tem. E uma trama inventiva, apesar de baseada em conceitos nada originais.

A história é sobre uma radialista que recebe um LP com uma música inspirada na música tocada pelas bruxas assassinadas em Salem no Século 17, que a faz se sentir doente. Ela passa o filme sofrendo de alucinações e perseguições por assombrações. Enquanto isso, um funcionário do museu de cera da cidade e autor de um livro sobre as bruxas, começa uma investigação por conta sobre o passado das mortes das bruxas, e a ligação com a música.

Falando assim, nem parece grande coisa. Mas o modo como a trama é narrada, desde algo simples como o filme ser entrecortado através dos dias da semana e cenas sem explicações que beiram o surrealismo deixam o longa bem interessante e curioso.

O filme não tem aquele clima alucinado de vídeo clipe dos outros filmes dele. Ao contrário, tem um ritmo lento, fazendo o suspense crescer aos poucos. Em algumas cenas, tudo chega a parecer até com influencias de filmes de arte, embora a influência deve ser do cinema de terror italiano, em especial Dario Argento.

A única coisa que não gostei tanto é a representação das bruxas, com a visão retrógrada e machista, onde elas assumem serem satanistas com uma missão de combater o cristianismo. Soa apenas forçado como “referência de filmes clássicos”. Mas os pontos positivos do filme acabam deixando isso de lado.

RITUAL DE SANGUE

Texto de Henry Garrit / Ilustrações de Márcia Sandrine e Valter Barbosa

O som dos tambores dispersava as trevas, criando padrões irregulares a cada nova batida, como sombras líquidas sendo espalhadas pelo ar, uma pulsação evocando a vida, a morte e as outras forças primordiais do universo.

Era uma clareira na floresta, um círculo de pedras envolvia o ritual. Uma fogueira iluminava uma grande pedra cinza usada como altar. Ao redor, as árvores, os bichos e os seres de outros planos aguardavam uma oportunidade. Uma névoa rubra evanesceu a noite ao que a lua rubra tingiu o firmamento. Ao longe, até os não iniciados sentiram algo no ar. Poesia, música, pintura, arte. Magia.

Os loucos em seus trajes brancos apertados uivaram para ela, recebendo sua luz como um afago. Melhor que ninguém eles entendiam sua força, estavam acostumados a seus encantos, sua luxúria, sua liberdade. A fogueira ascendeu como se fosse capaz de tocar a lua. Ao redor do campo, mais criaturas espreitavam, buscando uma brecha para atacar.

Letícia estava deitada na pedra cinza. Seu pai a observava de longe, de fora do círculo, pois não lhe era permitido tocar o solo desse ritual sagrado. O momento era só dela.

A garota estava assustada e ao mesmo tempo ansiosa. Ela sabia o que a esperava, sempre quis que esse momento chegasse, mas quando chegou pareceu grandioso demais e ela temeu não estar à altura dele. E se ela falhasse? Seu pai a perdoaria? E os espíritos de suas ancestrais que a rodeavam, a abandonariam?

O som dos tambores ficou mais intenso. Letícia temia mais o fracasso do que a morte.

Um feixe incandescente se alinhou perfeitamente entre a lua e seu corpo. O uivo dos loucos se uniu aos dos seres sem luz e se intensificaram. Morte, vida ou coisa pior? O que haveria para ela?

O sangue escorreu por suas pernas, e ela o tocou aliviada. O sinal foi dado, o momento era aquele. Ela apontou sua mão ensanguentada para a lua sagrada, entrando em comunhão com ela. Os espíritos das ancestrais gritaram ao mesmo tempo, oferecendo seu conhecimento pregresso com uma única estocada em seu cérebro. A dor foi lancinante. Ela se levantou com dificuldade e os tecidos e amuletos colocados anteriormente ao redor da pedra encontraram seu corpo, conjurados por sua magia, constituindo suas novas vestes, sua nova pele.

A deusa da lua perguntou a Letícia se ela aceitaria seu legado. A garota hesitou, perguntando-se se conseguiria ser quem desejava ou apenas uma cópia de seu pai. Perguntou-se por que ou por quem fazia aquilo. Bastava descer da pedra, romper o ritual, e tudo seria esquecido, nem mesmo ela se lembraria… E se tivesse a passagem livre, poderia ter uma vida normal, mundana, encontraria futilidade e amor. Talvez fosse feliz. Ou poderia aceitar uma responsabilidade capaz de tirar dela tudo de bom e importante em sua vida caso não fosse forte o suficiente para…

SIM, DEUSA MÃE! EU ACEITO!

Letícia sempre foi forte e decidida. O pai dela não iria mais manipulá-la. E se ele tentasse, sofreria as consequências. A partir daquele momento, ela não baixaria mais a cabeça para quem quer que fosse.

EU SEREI CHAMADA DE NIX, A SACERDOTISA DA NOITE. E HONRAREI SEU LEGADO!

Os espíritos das ancestrais a reverenciaram, retornando para suas próprias infinidades. Os seres sem luz também se retiraram, decepcionados e assustados com as consequências de confrontar a dama que havia se erguido. E os loucos, num inusitado momento de lucidez, voltaram para a alienação de seu sono químico. Seu pai sorriu orgulhoso, mesmo sabendo que testemunhara o nascimento de sua maior adversária.

Letícia só tinha treze anos.

IRMÃS SANDERSON

Por Letícia “Nimphadora” Fiuza

Diz a lenda que em Salem, no ano de 1692, três irmãs foram levadas a forca no dia das bruxas, para serem executadas por seus crimes: Winifred,  Mary e Sara Sanderson, ou como são conhecidas até hoje, As Irmãs Sanderson.

As irmãs foram responsáveis por atos de real crueldade por devoção a seu Mestre, Satã, e também por seu desejo de juventude e vida eterna. No ano em questão, as irmãs criaram um feitiço capaz de dar-lhes o que tanto buscavam, chamava-se Lua Negra, no qual drenariam a força vital de crianças inocentes e assim, os poderes das bruxas se tornariam ilimitados!

“Venham criancinhas, eu vou leva-las embora,

Para uma terra de encantamento…

Venham criancinhas, chegou a hora de brincar,

Aqui no meu jardim de magia”

E na madrugada do dia 31 de outubro de 1962, Sarah, a irmã mais nova, saiu voando em sua vassoura e entoando os versos de uma canção que somente seria ouvida por crianças e as levariam até onde as bruxas esperavam prontas para ceifarem suas vidas.

Um menino que estava entre o limiar da infância e da adolescência também ouviu a canção, porém, por ela não foi enfeitiçado e vendo sua irmã caçula ser levada, com seus avisos, acabou por alertar toda a população de Salem para o que estava acontecendo.

Trackery Binx correu para a casa das bruxas, na tentativa de salvar sua irmã, mas foi aprisionado e enfeitiçado pelas bruxas, que o transformaram em um gato preto.

“Salte para trás.

Torça os ossos e curve as costas.

Apare a gordurinha de bebê.

Dê-lhe pelos do negro mais negro…”

Entretanto, seu ato de coragem acabou por impedir que as Sanderson concluíssem seu feitiço macabro e assim, foram capturadas pelo povo de Salem.

Na Noite de Todos os Santos (All Hallows’ Eve), as Bruxas Sanderson foram levadas a forca, mas antes de serem executadas, a mais velha das irmãs lançou um feitiço sobre a cidade:

Tolos! Todos vocês!  Meu ímpio livro fala a vocês.

Na Noite de Todos os Santos, quando a lua estiver cheia…

Uma virgem nos convocará de dentro do solo.

Voltaremos!  E as vidas de todas as crianças serão minhas!

E então, as Irmãs Sanderson foram enforcadas pelo povo da cidade de Salem. E pobre Thackery Binx. Nem seu pai, nem sua mãe, nem toda a cidade, jamais souberam o que aconteceu com ele séculos atrás. Há histórias de que na noite de Halloween, um gato preto ainda guarda a velha Casa Sanderson, afastando qualquer um que possa fazer as Bruxas voltarem à vida.

Passados trezentos anos da execução das Bruxas Sanderson, enfim, sua profecia foi realizada. Um jovem descrente – e virgem – ao visitar a casa onde as bruxas viveram, com sua irmã mais nova e uma amiga, numa brincadeira resolveu testar a lenda e acendeu uma vela de chama negra que encontrou. Essa vela, um instrumento de magia negra, feita com a gordura de um homem enforcado,  tinha o misterioso poder de levantar os espíritos dos mortos por uma noite, se acesa por um virgem numa noite de Halloweeen.

As Irmãs Sanderson voltaram e estavam ávidas por cumprir seu objetivo de vingança e também alcançar a vida eterna. E durante uma noite aterrorizaram a cidade de Salem, colocando os adultos sob um feitiço que os mataria de tanto dançar (sim, dançar) e saíram à caça das crianças para completarem sua poção e seu feitiço de vida eterna.

Eu lancei um feitiço sobre vocês e agora vocês são meus.

Não podem deter as coisas que faço, Eu não estou mentindo.

Já faz 300 anos, em um único dia, a bruxa esta de volta e não há inferno para pagar.

 

E as bruxas quase tiveram sucesso dessa vez, porém, novamente foram impedidas por Binx, o gato, e pelas crianças que acidentalmente as trouxeram de volta. Mas, seria esse o fim das Irmãs Sanderson?

Acredito que não…

Curiosidades:

A história do filme foi inspirada em relatos reais da época da caça as bruxas de Salem, dizem  que as irmãs realmente existiram e aterrorizaram a cidade por serem as únicas que se declaravam abertamente satanistas;

O roteiro original era bem mais sinistro, mas a Disney teve conhecimento da história e comprou os direitos, criando o filme como conhecemos hoje;

No seu lançamento, o filme não fez tanto sucesso assim, foi somente no decorrer dos anos que acabou por se tornar um Clássico do dia das Bruxas no mundo todo;

Há uma versão sendo preparada pela Disney, porém, ainda não se tem muitas informações reais sobre o andamento;

As irmãs representam a versão tríplice das Bruxas no paganismo, a anciã (Wini), a matriarca (Mary) e a donzela (Sarah);

As protagonistas, Bette Middler, Kathy Najimy e Sarah Jessica Parker retornarão aos papéis de Winifred, Mary e Sarah,  27 anos depois da produção original, para um evento beneficente que se realizará  no dia 30/10/2020 – HOJE! – com sua renda voltada para  instituições que restauram espaços comunitários na cidade de Nova York.  Para saber mais, siga o instagram oficial da @bettemidler

A CAÇA ÀS BRUXAS & AS BRUXAS DE SALEM

Por Paulo Joubert

Sobre o que quero descrever são estas duas questões. E para tanto, quero utilizar uma citação que remete a uma de minhas grandes paixões: Histórias em quadrinhos. Irei esclarecendo adiante.

Provavelmente você, leitor, já deve ter lido ou ouvido muito a expressão “caça às bruxas”. Há poucos meses um líder mundial, ameaçado de impeachment gritou aos quatro ventos estar sendo vítima deste tipo de ato. Nos dias atuais este termo tem se referido a qualquer investigação conduzida com muita publicidade, supostamente com o objetivo de desbaratar atividade subversiva. Não raro tal ato é usado como disputa política. Porém, a origem de termo vem do Século XIII na Europa.

Caso alguém ache exagero tratar o tema como feminicídio, supondo que não teria sido a condição de ser mulher e sim o de ser feiticeira a razão dos extermínios, lembro que um homem que declaradamente lidasse com poções mágicas podia ser descrito como um alquimista. A misoginia da época tratava a mulher como “antagonista da amizade, castigo inescapável, mal necessário, tentação natural , calamidade, perigo doméstico”. Estas definições foram retiradas do Tratado MALLEUS MALEFICARUM (O Martelo das Feiticeiras, em português), escrito pelo clérigo alemão e inquisidor Heinrich Kramer, em 1487.

Chegando à uma colônia fundada na costa leste dos EUA em 1620 denominada Massachusets Bay, dezenas de britânicos desembarcaram decepcionados com a Igreja Anglicana. Estes radicais deixaram a Europa em busca de um “Éden”,  onde pudessem ser mais fiéis à Bíblia quanto achavam que deveriam ser. A prática deste protestantismo foi denominado puritanismo. Neste cenário, 200 pessoas foram acusadas de feitiçaria e conluio com Satã no período de 1692/93, sendo considerada a maior caça às bruxas da história estadunidense.

Movida pelo fundamentalismo religioso e a falta de costume dos imigrantes europeus com índios, a quem consideravam demônios, a pequena Salem da Nova Inglaterra surtou quando filha e sobrinha do pastor local começaram a ter comportamentos estranhos, sem que tais comportamentos cedessem mediante as orações do pastor. Sem conseguir identificar a moléstia ou sua origem, já se partiu para a simplista opção de cravar o rótulo de “ação sobrenatural”.

Jurados aceitavam vários testemunhos, inclusive de moradores que se ofereciam para prestá-lo, sem convocação prévia, no momento da audiência. Mesmo sem provas materiais, tais relatos foram considerados verídicos. Assim, em 19 de Abril de 1692, Bridget Bishop, 60 anos, foi condenada por prática de bruxaria, sendo enforcada três meses depois. Foi a primeira “bruxa” de Salem a morrer.

O absurdo de condenarem pessoas à morte a partir de depoimentos de menores de idade foi ficando óbvio com o passar do tempo. Um comerciante do lugarejo, considerado um dos mais cultos á época, se indignou e proferiu que os responsáveis pelas acusações estavam possuídos pela ignorância e a loucura.

Os sintomas relatados pelas jovens (tremores, espasmos, caretas, delírios) foram classificados séculos depois por Charcot e Freud como relacionados a transtornos emocionais. Crianças reprimidas pelo rigor religioso e conservadorismo dos puritanos criou um cenário ideal para a histeria.

Os perdões às supostas feiticeiras e outros condenados começaram no ano de 1710. E apenas no Halloween de 2001, o (hoje) estado de Massachusets perdoou as últimas condenadas, incluindo Bridget Bishop, a primeira a ser morta.

Fonte: Texto Medo e Delírio em Salem, por Alexandre Carvalho, da revista Aventuras na História # 193

Em meados de 1970, a Marvel Comics resolveu revisitar esta história, a exemplo que já havia sido feito pelo teatro e pelo cinema. Escrita pelo roteirista Bill Mantlo, em uma série de quatro edições da revista Marvel Team Up, conta a viagem do tempo de um puritano com poderes ao nosso presente, onde este caça uma bruxa moderna, a mutante e vingadora Feiticeira Escarlate. O objetivo é leva-la para o passado para que possa não só ser sacrificada, como (estranhamente) servir para fortalecer uma entidade maléfica. Embora com muitas lacunas, os vibrantes desenhos de Sal Buscema e as participações de Homem-Aranha, Visão e até do Dr. Destino (o dono da bola de futebol, digo, da máquina do tempo!) torna a trama divertida para quem gosta do gênero super-herói, mesclado com ficção científica com pitada de novela de época! A trama saiu no Brasil em 1981, nas edições de números 23 e 24 da revista SUPER-HERÓIS MARVEL, da Editora RGE (atual Globo). Essas e outras capas clássicas podem ser encontradas no site  Guia dos Quadrinhos do Edson Diego, o maior catálogo sobre edições de Quadrinhos que conheço no Brasil, algo comparado ao Fandom americano.

Em tempos perturbados, procuramos traidores, terroristas, agentes secretos, embora em nossa imaginação, a coisa nem sempre seja tão imaginária.

          Stacy Schiff, autora de “As Bruxas – Intriga, Traição e Histeria em Salem.”

Não à toa (a história de Salem) foi associada pelo dramaturgo Arthur Miller (em The Crucible – peça teatral) com a campanha de perseguição à comunistas do senador Joseph McCarthy. A Guerra Fria nos anos 1950 passou a enxergar em artistas e intelectuais como agentes soviéticos. Charles Chaplin foi expulso dos EUA na época. A aldeia de Salem, com sua população cheia de animosidade, repressão comportamental e extremismo religioso, era um microcosmo igualmente perturbado.”

          Alexandre Carvalho, revista Aventuras na História.

Impossível não traçar um paralelo com a polarização política dos dias atuais, com conservadorismo tentando eclipsar a ciência e homens públicos de conduta questionável tentando censurar HQs em exposições.

  Paulo Joubert, Cine HQ

 

 

Meus agradecimentos mais que especiais à todos os amigos sem os quais nada disso teria acontecido:

Rodrigo Broilo, Paulo Joubert, Léo Cezimbra, Márcia Sandrine,  Letícia Fiuza, Valter Barbosa, Lexy Soares, Weber Carvalho, Gustavo Sleman, Pablo Ramos e Victor Vaughan… Tenho muito orgulho de ter amigos como vocês! 

Henry Garrit

 

O MAL NUNCA MORRE E O TERROR NUNCA ACABA! LEIA AS SEXTAS MALDITAS ANTERIORES:

OS NOSSOS VILÕES DA TELEVISÃO!

OS SEIS PIORES SERES DAS TREVAS PARA SE ENCONTRAR NUMA SEXTA-FEIRA 13… (OU QUALQUER OUTRO DIA DO ANO…)

BEM-VINDOS AO MUNDO ADULTO!

DE VOLTA MAIS MALDITA DO QUE NUNCA!

DEPOIS DE DUAS FASES LUNARES A MALDITA VOLTOU

MALDIÇÃO! SEXTA MALDITA !!! – A MALDITA SEXTA MALDITA

A MALDIÇÃO DA MALDITA!

FALTAM DUAS MALDITAS PARA O FIM DO ANO.

AMALDIÇOADOS SACERDOTES DO SANTUÁRIO!!! A “MALDITA” VOLTOU!

A REUNIÃO!

ELA ESTÁ DE VOLTA… COM 13 INDIVÍDUOS QUE VOCÊ NÃO CONVIDARIA PARA SUA CEIA DE NATAL…

COLOQUE SUA MÁSCARA E JUNTE-SE AOS VILÕES!

UM ANO DE SANTUÁRIO! BEM-VINDOS À SEXTA BENDITA!

O RETORNO ESPETACULAR!

ABRA SUAS ASAS, SOLTE SUAS FERAS!

HALLOWEEN: UMA EXPERIÊNCIA INESQUECÍVEL…

VIVA A SOCIEDADE ALTERNATIVA!

PORQUE A MALDADE NUNCA É SUFICIENTE!

3 comentários sobre “Sexta Maldita: O Coven Santuário!

  1. Que saudade estava de participar de uma Sexta Maldita!

    Ainda mais eu, que tenho sangue de bruxa! Alias, já mandei meu corvo com minha amostra para a a inscrição no B.R.U.X.A, aguardo ansiosamente minha carteirinha =D

    Gente, eu não tinha ideia da infância da Úrsula, agora consigo entender um pouco mais seus atos.

    Coloquei Lords of Salem na minha lista de filmes para assistir, dps conto o que achei 😉

    Ritual de Sangue, gostei muito do conto (e do nome da garota). E que ilustrações lindas! Parabéns Henry, Márcia e Valter!

    Paulo, eu tenho um Malleus Maleficarum e é realmente terrível.

    Parabéns a todos que colaboraram, adoro essa época do mês e Halloween tem uma energia bem interessante, então, hoje acendam suas velas e as mantenham queimando e deixem junto com sua abóbora na entrada de suas casas, pois hoje, a partir da meia noite, Jack vagueia por entre os mundos guiando os espíritos daqueles que já se foram e não sei vcs, mas eu não quero nenhuma força estranha por perto.

    bjs da Bruxa

    Curtido por 1 pessoa

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s