RESENHA: O Universo de Sandman – O Sonhar: Vol. 1 – Caminhos e Emanações.

Por Henry Garrit

Segredos, mistérios… E sussurros.

A cultuada série Sandman está de volta… Mais ou menos. O que pode ser uma notícia ainda melhor para os fãs do personagem, que teve sua trajetória belamente contada – e finalizada – por Neil Gaiman e seu time de ilustradores, tendo voltado ao tema anos depois na minissérie “Sandman: Prelúdio”, apresentando fatos anteriores aos ocorridos na revista regular, ainda que no Sonhar, o tempo flua de modo diferente…

Essa nova safra iniciada com os títulos O Sonhar, Casa dos Sussurros, Lúcifer e Livros da Magia, mais tarde ganhando a aquisição de Hellblazer, é exatamente o que se propôs, não um retorno do Senhor dos Sonhos no centro de uma nova trama (ao menos não até o momento), embora ele faça aparições, não é o protagonista da história. O enredo nos revela o que está acontecendo em seus domínios e os problemas que começam a acontecer vertiginosamente, e que de certa forma conectam todos os títulos. O primeiro grande entrevero é a própria ausência de Daniel, deixando o lugar sem um governante.

Uma breve explicação para os não iniciados:

Sonho é um dos sete Perpétuos, arquétipos de idealizações/construções humanas munidos do dever de zelar por seus respectivos reinos. Seus seis irmãos são Destino, Desejo, Destruição, Delírio, Desespero e Morte. Os Perpétuos não são deuses, e apesar de serem eternos, podem ser mortos, sendo substituídos por uma nova versão do arquétipo. Além disso eles existem desde os primórdios, antes mesmos dos deuses e não dependem da veneração dos homens para obter seu poder. De fato, eles existirão muito além da extinção dos deuses, quando a Morte então for a última a sair, apagar a luz e trancar a porta… Da existência.   

Sonho anteriormente era Morfeu, mas morreu após ser vítima das maquinações de seu/sua irmão/irmã Desejo. Porém, sabendo o que aconteceria, preservou parte de sua essência em um amuleto, o qual foi dado a uma criança que viria a ser sua sucessora, Daniel. 

Voltando a nova série:

Com seu mestre ausente, o Sonhar começa a sofrer adversidades, o próprio lugar parece ruir com enormes rachaduras surgindo nos céus e claro, forças malignas externas tentando se aproveitar do fato para reclamar o lugar para si. Velhos e conhecidos personagens como Lucien, Mervyn Cabeça de Abóbora, Eva, Cain e Abel (os proprietários da Casa dos Mistérios e da Mansão dos Segredos) e o corvo Matthew se juntam a novos (e carismáticos) moradores do Sonhar, trazendo junto a eles seus próprios conflitos. A personagem Dora é introduzida como uma renegada que vive às margens do Sonhar, não seguindo nenhuma regra. Ela apresenta habilidades inexplicáveis e embora não tenha lembranças de sua própria origem, sabe-se que tem um passado com o governante dos sonhos, da época em que ele ainda era Morfeu. É possível perceber em algumas cenas que fatos dos outros títulos irão influenciar o Sonhar, (e possivelmente o contrário também seja verdadeiro) mas embora esses fatos não sejam aprofundados, isso não atrapalha o entendimento da história.

O encadernado publicado no Brasil pela Panini reúne as edições The Sandman Universe 1, que nos apresenta uma visão panorâmica (meio que literalmente) sob os olhos de Matthew sobre o que podemos esperar dos outros títulos, e segue com a edições 1 a 6 de The Dreaming, com roteiro de Simon Spurrier e arte belíssima da brasileira Bilquis Evely, que simplesmente brilha em todas as  páginas. (É impagável o visual “cangaceiro” do personagem Ziggy).  Neil Gaiman está envolvido em todos os títulos, ainda que não seja o roteirista, é creditado como curador das histórias, acompanhando de perto tudo o que acontece.

Mesmo com a expectativa alta, a edição não decepciona, o roteiro se mantém fiel a base original do universo de Sandman, a arte é belíssima e a história tem o sabor atemporal do auge do título com vários toques de modernidade, apresentando antigos e novos vilões à altura e questões instigantes que devem se desenvolver no decorrer das próximas edições.

O Sonhar: Caminhos e Emanações abriu com chave de ouro a série de encadernados do Universo de Sandman e deve agradar uma nova geração de fãs dos personagens.

Se liga no Santuário e acompanhe com a gente as resenhas de todos os volumes!

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s