RESENHA: O UNIVERSO DE SANDMAN – LÚCIFER: VOL. 2 – A DIVINA TRAGÉDIA.

Por Henry Garrit

Lúcifer venceu seu inferno pessoal, conseguiu vingança contra seu opositor e ainda providenciou a ressureição de sua antiga amante, Sycorax, a rainha das bruxas, para alegria do filho dos dois, Calibã. Porém ele não teve muito tempo para saborear suas conquistas, sendo abordado pelo arcanjo Raguel e seu exército celestial que alegava que a ressureição da mulher era uma ofensa inaceitável ao Paraíso, e que como forma de misericórdia, ela só teria mais três dias de vida. Agora o enfraquecido Lúcifer precisa lutar para mudar a maré novamente a seu favor, nem que para isso ele precise declarar guerra aos Céus… De novo.

Dan Watters retorna neste segundo volume encadernado de Lúcifer, trazendo as melhores histórias dessa nova safra de títulos ligados ao Universo de Sandman. Enquanto o primeiro volume precisou tratar de trazer o arcanjo caído de volta à cena, aqui ele já se estabelece como o personagem grandioso que sempre foi, embora (pelo que dizem) enfraquecido e exilado de seu reino, transitando entre os submundos dos grandes panteões de deuses de diversas culturas, (e também o Sonhar) preparando o terreno para sua cartada final. Paralelo a isso, vemos o desenvolvimento dos outros personagens e as mudanças e/ou desfechos reservados a cada um. Na ilha onde o olhar onisciente não alcança, é realizado um grande sabá, reunindo bruxas de todo o mundo em devoção a Sycorax, incluindo uma velha conhecida dos tempos da série clássica de Sandman, Thessaly, onde, é claro, elas terão que lidar com forças infernais traiçoeiras e as hordas celestes vingativas. Por outro lado vemos que embora tenha tido uma atuação importante, com direito a decisões-chave na trama, a personagem Mazikeen ainda não mostrou todo o seu potencial, tendo passado por uma batalha que a levou a um lugar não muito diferente de onde já se encontrava – espero que ela receba melhor tratamento nas próximas edições – e claro, Calibã, o filho de Lúcifer e Sycorax cuja busca por si mesmo já vem ocorrendo há centenas de anos, (com direito a belíssima história solo situada em seu passado, que para nossa grata surpresa, foi ilustrada pelo veterano Kelley Jones), e que pode ou não ter enfim chegado ao seu destino final. (Não há como esperar previsibilidade quando se trata de Lúcifer).Com arte afiadíssima dos irmãos argentinos Max e Sebastian Fiumara com colaboração de Aaron Campbell e Leomacs, além da citada história ilustrada por Kelley Jones, e um roteiro construído com maestria, começando no mais profundo sofrimento infernal até um dia ensolarado onde ocorre um suicídio, o Lúcifer idealizado por Neil Gaiman está de volta e o céu é o limite para as suas próximas ações.

LÚCIFER VOL. 2: A DIVINA TRAGÉDIA foi publicado no Brasil pela Panini em um encadernado com as edições 7 a 13 de Lucifer.

Se liga no Santuário e acompanhe com a gente as resenhas de todos os volumes de O UNIVERSO DE SANDMAN:

O SONHAR: VOL. 1 – CAMINHOS E EMANAÇÕES

O SONHAR: VOL. 2 – CASCAS VAZIAS

LÚCIFER: VOL. 1 – A INFERNAL COMÉDIA 

OS LIVROS DA MAGIA: VOL. 1 – TIPOS MÓVEIS

A CASA DOS SUSSURROS: VOL. 1 – PODER APARTADO

Um comentário sobre “RESENHA: O UNIVERSO DE SANDMAN – LÚCIFER: VOL. 2 – A DIVINA TRAGÉDIA.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s