RESENHA: O UNIVERSO DE SANDMAN – JOHN CONSTANTINE: HELLBLAZER – VOL. 2 – VOCÊ MESMO, MAS MELHOR.

Por Henry Garrit

De volta ao jogo após anos de ausência, o mago John Constantine segue sua velha rotina de acontecimentos bizarros envolvendo magia ou às vezes apenas a pura maldade humana, se equilibrando entre a sanidade e a loucura infernal que o persegue. Apesar de ter feito novos associados (talvez até mesmo amigos), forças maiores estão manipulando suas ações e chegou a hora de confrontar esse mal cara a cara!

O que sabemos até agora: Retirado diretamente das páginas da minissérie Os Livros da Magia dos anos 90, história essa que contava a jornada de Tim Hunter através de mundos mágicos com roteiro de Neil Gaiman, Constantine foi salvo de um futuro possível onde o apocalipse era iminente e sua morte certa. Jogado na época atual, mais precisamente na continuidade onde ocorrem os eventos de “O Universo de Sandman”, narrados através dos títulos O Sonhar, Casa dos Sussurros, Lúcifer, Os Livros da Magia e agora Hellblazer, passamos a acompanhar uma versão considerada ideal do personagem, livre das adaptações que sofreu dentro do universo de super-heróis da DC e mais próximo do conceito apresentado na própria revista Hellblazer, publicada por anos no extinto selo Vertigo (atualmente substituído pela linha DC Black Label).

Embora o mago tenha feito aparições pontuais ou até mais marcantes nos citados títulos de O Universo de Sandman, em sua revista solo vemos um distanciamento desses elementos, onde o foco está apenas no personagem e sua tortuosa estrada, ainda que nesta edição específica, tenhamos visto um aceno ao Sonhar e ao próprio Daniel, seu senhor.

Dando continuidade direta ao encadernado anterior, a mesma equipe criativa formada por Simon Spurrier (roteiro), e Aaron Campbell e Matías Bergara se revezando na arte, monta aos poucos seu mosaico sombrio até revelar o panorama completo. Constantine é colocado a mercê de seres míticos inacreditáveis até mesmo para alguém acostumado a comungar com demônios, e embora absurdos, esses encontros não se revelam aleatórios, ainda que a explicação possa frustrar aqueles que aguardam algo mais elaborado.

A história envolvendo uma sereia, no entanto, acaba servindo como uma grande metáfora a relacionamentos tóxicos, onde algumas mulheres são abusadas física e mentalmente por seus parceiros, que as fazem se sentir culpadas e na obrigação de lhes prestar sua submissão. Embora tenha acontecido com uma mulher metade peixe, é uma realidade assustadoramente cotidiana.

O medo e a culpa também são abordados no arco, onde um ser que embora não tenha sido nomeado dessa forma na história, me remeteu a figura de um “bicho-papão“, capaz de fomentar o pior nas pessoas e se alimentar desses sentimentos negativos. Pior ainda quando esse ser “veste” a carne de um político e propaga suas ideias racistas e xenófobas, para dizer o mínimo.

Embora o roteiro tenha essa preocupação em sinalizar paralelos entre realidade e ficção, não pensem que as bizarrices habituais não estão presentes. Na verdade, é possível que em alguns momentos tenham ido um pouco longe demais, mesmo em se tratando de Hellblazer, porém se tem uma coisa que o leitor do título sempre deve esperar são abominações sobrenaturais de revirar o estômago!

O grande vilão – e isso não é segredo – é o próprio John Constantine, conforme revelado desde o encadernado anterior, mas uma versão mais velha dele, que o teria salvo do apocalipse em troca de nada menos que sua alma. E como o próprio John faz questão de salientar algumas vezes na história, a questão sobre a magia é que ela cobra um preço, mas sobretudo um preço sempre mais alto do que o benefício oferecido.

O roteiro oferece um plot twist que realmente consegue surpreender o leitor, que espera respostas sobre a versão mais velha de John e acaba recebendo outra informação bombástica. Surpreender não quer dizer necessariamente que tenha sido a melhor ideia do mundo, mas até onde vejo, não muda o status do personagem a ponto de tirá-lo de circulação, mas certamente abre uma nova perspectiva para seu futuro. Se é que haverá algum futuro para ele… Nessa versão da realidade, pelo menos.

O UNIVERSO DE SANDMAN – JOHN CONSTANTINE: HELLBLAZER VOL. 2: VOCÊ MESMO, MAS MELHOR foi publicado no Brasil pela Panini em um encadernado com as edições John Constantine: Hellblazer 7 a 12.

Se liga no Santuário e acompanhe com a gente as resenhas de TODOS os volumes de O UNIVERSO DE SANDMAN!

O SONHAR: VOL. 1 – CAMINHOS E EMANAÇÕES

O SONHAR: VOL. 2 – CASCAS VAZIAS

O SONHAR: VOL. 3 – UM PASSE DE MÁGICA

LÚCIFER: VOL. 1 – A INFERNAL COMÉDIA 

LÚCIFER: VOL. 2 – A DIVINA TRAGÉDIA

LÚCIFER: VOL. 3 – CAÇADA SELVAGEM

OS LIVROS DA MAGIA: VOL. 1 – TIPOS MÓVEIS

OS LIVROS DA MAGIA: VOL. 2 – HORA DAS HISTÓRIAS

OS LIVROS DA MAGIA: VOL. 3 – MÁS INFLUÊNCIAS

A CASA DOS SUSSURROS: VOL. 1 – PODER APARTADO

A CASA DOS SUSSURROS: VOL. 2 – ANANSÊ

A CASA DOS SUSSURROS: VOL. 3 – VIGIANDO OS VIGIAS

JOHN CONSTANTINE: HELLBLAZER VOL. 1: MARCAS DA DESGRAÇA

JOHN CONSTANTINE: HELLBLAZER VOL. 2: VOCÊ MESMO, MAS MELHOR

Um comentário sobre “RESENHA: O UNIVERSO DE SANDMAN – JOHN CONSTANTINE: HELLBLAZER – VOL. 2 – VOCÊ MESMO, MAS MELHOR.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s