RESENHA: Desafiador – Retorno à Eternidade

Por Henry Garrit

O trapezista Boston Brand, conhecido como Desafiador (Deadman no original) foi assassinado durante uma de suas apresentações no circo em que trabalhava, vítima de um tiro certeiro. Seu espírito, no entanto, recebeu a chance de retornar ao mundo dos vivos através de um acordo com a deusa Rama Kushna, que lhe ofereceu a oportunidade de se vingar de seu assassino, recebendo o poder de possuir os corpos das pessoas. Claro que as coisas não são assim tão simples e Boston se viu preso a um plano secular orquestrado por entidades que tentam alterar o equilíbrio da balança entre o bem e o mal em proveito próprio.

Retorno à Eternidade é uma história peculiar em vários sentidos. Lançada em 1986 (e que ano produtivo foi esse, com tantos títulos incríveis, não?), algum tempo depois da Crise Nas Infinitas Terras, meio que foi uma versão do Ano Um do Desafiador, numa época em que tantos personagens estavam sendo reformulados no contexto pós-crise. Mas na verdade a trama não altera o passado do personagem, ela faz um importante resgate de seus primórdios, enfim fechando diversas pontas soltas, dando continuidade direta a eventos publicados anos antes, em 1969 para ser mais exato, que vinham sendo ignorados ou mantidos sob uma cortina de fumaça durante todo esse tempo. Com uma participação relâmpago do Batman, vemos Boston e seu irmão Cleveland em Nanda Parbat, o local sagrado e fonte de poder de Rama Kushna, e única localidade da Terra onde Boston ganha um corpo físico. Porém, uma vida  em carne e osso num lugar apático onde nada muda não satisfazia os desejos de Boston, e mesmo sob protesto de seu irmão e do Homem-Morcego, ele decide deixar o lugar em busca de aventura, fazendo apenas um pedido a Cleveland: Permissão para desfrutar de uma semana como um homem vivo no “mundo real”, habitando seu corpo! E é aí que tudo se complica.

O roteirista Andrew Helfer conduz o enredo de forma coesa num texto que envelheceu muito pouco, apesar de um ou outro elemento datado. Seu grande desafio seria criar uma ameaça real para um personagem que já está morto, é imperceptível pela maioria, intocável e capaz de assumir o controle do corpo de (quase) qualquer um. E este é um dos grandes trunfos da história, pois o que vemos é Boston Brand ser destroçado tanto emocionalmente quanto fisicamente (sim, ele é atacado em sua forma espectral, aprisionado e torturado no melhor estilo Caça-Fantasmas). O Desafiador sofre uma perda dolorosa e inesperada, descobre um novo inimigo que está intimamente ligado a suposta deusa que lhe concedeu suas habilidades ao mesmo tempo em que precisa proteger a pacífica população de Nanda Parbat da famigerada Liga dos Assassinos. Tudo isso num contexto onde sua alma está sob constante ameaça de ser dispersada ou levada para algum lugar ruim.

A cena do “renascimento” do personagem, erguendo-se do túmulo em seu próprio corpo já putrefato é apoteótica, cruelmente linda e magnificamente ilustrada pelo genial José Luiz García-López, outro trunfo da HQ. Tanto quanto o texto de Andrew Helfer, a arte de García-López permanece jovem e atual, exceto por elementos pontuais inevitáveis para a época de sua publicação. (Não á toa, o artista espanhol radicado na Argentina foi responsável por criar o style guide de licenciamento dos personagens da DC, imprimindo assim a imagem da editora em conceitos visuais entre os quais muitos seguem vigentes até hoje).

Por tudo isso essa publicação merece seu destaque como um clássico que felizmente não ficou escondido na memória dos fãs, mesmo que seu protagonista não seja um dos personagens mais famosos da editora, continua sendo de imensa importância para esse universo, tendo participações fundamentais, entre outras histórias, na Saga do Monstro do Pântano de Alan Moore, A Noite Mais Densa e O Dia Mais Claro e como membro da Liga da Justiça Dark, além de claro suas próprias histórias solo.

DESAFIADOR: RETORNO À ETERNIDADE foi publicado no Brasil pela Panini em um encadernado de capa dura reunindo as quatro edições da minissérie Deadman.

 

 

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s