RESENHA: GUERRAS LÁCTEAS

Por Henry Garrit

Uma corporação interdimensional conhecida como Retconn manipula realidades, destruindo-as ou fabricando-as quando necessário, negociando-as com entidades extremamente poderosas, sem se importar com as vidas do trilhões de habitantes de cada continuum. Uma de suas técnicas consiste em “pasteurizar” determinada realidade para que se adeque ao gosto dos clientes. Assim, alguns poucos heróis conscientes do problema terão que enfrentar as versões modificadas de Superman, Batman e Mulher-Maravilha, agora à serviço da Retconn como Leiteiro-Man, Padre Bruce e Esposa-Maravilha.

O que os leitores podem esperar do evento GUERRAS LÁCTEAS?

Tudo aquilo que o selo Young Animal se propôs a entregar desde o início, em maior ou menor grau de intensidade, principalmente no título da Patrulha do Destino que não só resgata o conceito nonsense implementado por Grant Morrison quando escreveu a equipe dentro da Vertigo nos anos 90, mas expande essa ideia por todos os títulos relacionados. Esse crossover reúne os personagens da Young Animal pela primeira vez, colocando-os também para trabalhar em conjunto com os super-heróis da DC, fazendo com que o evento seja a junção dos especiais da Patrulha do Destino e Liga da Justiça, Batman e Madre Pânico, Mulher-Maravilha e Shade, a Garota Mutável e Cave Carson e Monstro do Pântano. Destes, apenas o título “Cave Carson Has a Cybernetic Eye” (Cave Carson tem um olho cibernético) NÃO foi publicado no Brasil pela Panini, que lançou os outros títulos em forma de encadernados. A atuação do personagem na trama é central, e embora seja possível compreender o personagem dentro da história sem que isso interfira no entendimento do roteiro, fica uma sensação de lacuna, pois claramente ele teve um longo desenvolvimento até chegar até aquele ponto, aliando-se ao Monstro do Pântano.

A história em si é interessante, e segue a cartilha fora da casinha do selo, então agrada aos que já se acostumaram com as situações esdrúxulas apresentadas. De todos os crossovers, o que funciona melhor é o entre a Patrulha do Destino e a Liga da Justiça, até porque a formação apresentada tem traços que lembram a fase cômica da equipe dos anos 90 escrita por Keith Giffen e J.M. DeMatteis, o que torna a loucura mais palatável e nos entrega momentos bem divertidos, incluindo o resgate de um hilário vilão dessa fase, o famigerado Lorde Mangá Khan!

Já os outros encontros entre Batman e Madre Pânico, Cave Carson e Monstro do Pântano e Shade e Mulher-Maravilha, tiveram sua importância no plano geral, mas foram o elo mais fraco, dando impressão de ser uma união muito forçada e prolongada demais. A trama poderia ter se resolvido num especial único e mais robusto envolvendo todos os personagens, sem a necessidade de alongar tanto o assunto. No mais, a história é satisfatória como um todo, traz referências sutis a Crise nas Infinitas Terras, Zero Hora e outras sagas de destruição cósmica da DC, coloca o dedo na ferida da própria editora ao fazer uma autocrítica em relação ao seus reboots, (o nome da corporação maligna Retconn já é uma óbvia ironia), e brinca com as possibilidades infinitas proporcionadas pelos quadrinhos, ajustando determinadas situações, criando, atualizando ou trazendo de volta antigos personagens para sua continuidade.

Guerras Lácteas teve roteiro e arte das equipes de cada título do Young Animal, (com algumas capas espetaculares de Frank Quitely) sendo encabeçada por Gerard Way e Steve Orlando (então roteirista da Liga da Justiça).

Uma história em quadrinhos de super-heróis sobre como as histórias em quadrinhos de super-heróis têm sido tratadas nos últimos anos pela indústria, unindo crítica e entretenimento de temas tão desgastados e mesmo assim conseguindo tirar leite de pedra ao entregar o grande evento do selo.

GUERRAS LÁCTEAS foi publicado no Brasil pela Panini em um encadernado que reúne as edições JLA/ Doom Patrol Special 1, Mother Panic/Batman 1, Cave Carson Has a Cybernetic Eye/Swamp Thing Special 1,  Doom Patrol/JLA Special 1 e Mixtape Sampler.

Aproveite e leia nossas outras resenhas sobre os títulos do selo DC´S YOUNG ANIMAL:

MADRE PÂNICO – TRABALHO EM ANDAMENTO

SHADE, A GAROTA MUTÁVEL – É FÁCIL SER TERRÁQUEA

PATRULHA DO DESTINO – PEDAÇO POR PEDAÇO

MADRE PÂNICO – SOB A PELE

SHADE, A GAROTA MUTÁVEL – PEQUENA FUGITIVA.

PATRULHA DO DESTINO – NADA

GUERRAS LÁCTEAS

Não deixe conferir nossas resenhas de PATRULHA DO DESTINO, A SÉRIE DA HBO MAX:

Episódios 1, 2 e 3: Possibilities Patrol, Vacay Patrol e Dead Patrol

Episódio 4: Undead Patrol

Episódio 5: Dada Patrol

Episódio 6: 1917 Patrol

Episódio 7: Bird Patrol

Abaixo vocês encontram links para TODAS as resenhas dos quadrinhos da PATRULHA DO DESTINO na sua aclamada fase na VERTIGO:

Vol. 1 – Rastejando dos Escombros

Vol. 2  – A Pintura que devorou Paris

Vol. 3 – Rua Paraíso Abaixo

Vol. 4 – Supermusculatura

Vol. 5 – O Ônibus Mágico

Vol. 6 – Planeta Amor

Especial Flex Mentallo

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s